ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NAS CONSPIRAÇÕES DE KATIA ABREU

Talvez nós produtores rurais Brasileiros sejamos incapazes de compreender certos “mistérios” na TEORIA DA CONSPIRAÇÃO descrita pela Presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Senadora KATIA ABREU, em seu artigo publicado na FOLHA DE SÃO PAULO – CLIQUE AQUI. (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/katiaabreu/2014/01/1399448-conspiracao-teoria-e-pratica.shtml).

Acredito que certos fins podem SIM justificar certos meios…e diante da TEORIA e da PRÁTICA, o que vimos é um GOVERNO SOMBRA, comandado por uma coalizão partidária em que seus aliados de base compõe uma SOCIEDADE SECRETA.

Se o caso existe de fato, e ou se “os fatos estão aí” … Sabendo que o setor rural é o mais visado no projeto que esta em curso, comandado por um GOVERNO EXECUTIVO ELEITO DEMOCRATICAMENTE, a Senadora ALIADA a este governo, deva mesmo acreditar que nós produtores rurais sejamos incapazes de compreender os “mistérios da conspiração”… Motivo pelo qual não compartilha os “segredos” que a levam a fazer parte da base aliada desta “conjuntura política” …

Se nos encontramos de fato diante da “própria pratica conspirativa” … seria a hora da Presidente da CNA invocar a certas espécies de MANTRA para meditar e despertar através das suas fundamentações técnicas de seu texto.

Assim quem sabe, ela Senadora, deixe de dar apoio politico a este governo arbitrário. Um Governo que produz conflitos e insegurança jurídica e esta colocando em risco o Estado Democrático de Direito…

Talvez seja a hora da KATIA ABREU Senadora, DEIXAR de apoiar um governo que esta “na contramão dos fundamentos da democracia” e a KATIA ABREU, Presidente da CNA passar agora, a defender politicamente não simplesmente os “monstros” mas sim o MONSTRUOSO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO, …Não ficar a defender apenas na TEORIA, mas na PRÁTICA, fazendo uso da Força da Confederação Nacional de Agricultura para reagir ao poder de “coerção” imposta pelo governo… Isto Sra Presidente da CNA, …Não é teoria da conspiração… É defesa do Estado Democrático de Direito.

Se isto  “É O QUE ESTA AÍ”, então esta na hora de fazer uso da sua liderança junto a CNA… Convoque os “monstros” para uma coação ao governo.

Devemos mostrar a MONSTRUOSIDADE que o AGRONEGÓCIO BRASILEIRO tem, não somente para produzir alimento barato e superavit, mas para COAGIR a um GOVERNO SOMBRA comandado por esta sociedade secreta denominada de “base aliada”.

Podemos coagir SIM, através de um ato civilizatório, exigindo o cumprimento das Leis Constitucionais em beneficio de toda sociedade… Somente assim poderemos mostrar de fato para toda a sociedade, a MONSTRUOSIDADE DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO…não na teoria, mas na prática.

Por Valdir Edemar Fries – Produtor rural em Itambé, Pr.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.