OS CUSTOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E OS CUSTOS POLÍTICOS DAS LIDERANÇAS DO SETOR PRODUTIVO.

O setor produtivo Brasileiro vive momentos de incertezas… Com juros em alta e inflação galopante, o Governo se perde em meio as próprias medidas econômicas por ele anunciadas…

A politica do toma lá, da cá, já perdeu folego, não há mais razoes para acreditar nos PLANOS e PROJETOS MIRABOLANTES lançados pelo atual Governo, muito menos nas PROMESSAS POLITICAS que devem se desencadear neste período eleitoral.

O mundo, segundo as pesquisas divulgadas recentemente, neste ano de 2014, ao todo deve garantir um crescimento econômico de 3 a 4 pontos percentuais, enquanto a economia Brasileira capengou no primeiro semestre e deve fechar ao final do ano entre 0.5 a 1.0 pontos percentuais, se tudo der certo daqui até dezembro.

Diante da instabilidade econômica, os custos da PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA devem ter atenção especial por parte dos produtores rurais, uma vez que as politicas publicas anunciadas no PLANO AGRÍCOLA 2014/2015 devem sofrer as consequências  com o contingenciamento orçamentário da União… Isto não quer dizer que o produtor não vai ter acesso ao crédito, mas sim porque o Governo não disponibilizará recursos suficiente para garantir a comercialização da produção, com a garantia dos preços mínimos por ele estabelecido… Até porque em partes, não pagou nem o que comprou ainda no ano passado.

O mercado agropecuário, ou seja, a comercialização da produção obtida, a cada ano tem sido uma das principais preocupação do produtor rural, e agora em 2014 as coisas parecem se complicar ainda mais, uma vez que os bons resultados de produtividade vem pressionando os preços, principalmente do produto soja em grão e do milho. Duas commodities que promovem um verdadeiro festival no comércio de papeis junto ao mercado nacional e internacional.

Os papéis das commodities que circulam hoje no mercado mundial, em volume fixado no papel, são muito superior ao volume de produção… Tão embora, em certos momentos este mercado futuro possa proporcionar melhores preços promovendo resultados positivos em determinados contratos em beneficio para o produtor rural… Estas oportunidades para o produtor são poucas, mas acontecem em determinadas épocas… é só acompanhar e saber aproveitar.

São estes papéis comercializados no “mercado futuro” que alteram o mercado físico a qualquer anuncio de relatórios de previsão de safra. No entanto, é quando se antecede a estimativa de uma grande safra, que estes papéis são colocados à venda, em tempo do mercado especulativo “aferir seus lucros”… Concorrendo de forma negativa para os produtores rurais, uma vez que pressionam os preços para patamares mais baixos também no mercado físico.

Sem muito conhecimento de todo este mercado “futuro e especulativo”, os produtores rurais perdem o sono…choram e reclamam, mas nada resolve quando se tem pela frente uma super safra de grãos.  Nestas ocasiões os preços dos grãos no mercado físico em determinadas épocas e regiões, o valor pago ao produtor não cobrem os custos da sua produção… Fatos assim, levam grande maioria dos produtores rurais a comprometer sua renda ou a ficarem a mercê da politicagem do Governo… Uma “politicagem” em torno do que se define em termos de apoio à politica de comercialização da produção com a garantia dos preços mínimos pré estabelecidos pela própria equipe do Governo Federal…

FOTOS 2014 553

Esta “politicagem” do Governo Federal em cima do setor produtivo do AGRONEGÓCIO BRASILEIRO não é de hoje, nem será daqui pro final do ano que irá mudar… até porque se fosse por conhecimento da realidade da situação do AGRONEGÓCIO BRASILEIRO, poderíamos dizer que o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO esta em boas mãos. Esta sob o comando de pessoas que realmente conhecem as dificuldades do dia a dia de todo produtor rural Brasileiro, mas infelizmente…

…Bem, infelizmente foram aludidos a aceitar o convite para assumir o cargo a que se propunha, sem estar ciente do custo politico da sua própria liderança junto ao setor produtivo.

Não é de hoje… Já foram muitos os Ministros de Agricultura que chegaram ao cargo através da liderança que assumiram junto a classe produtora em defesa do AGRONEGÓCIO BRASILEIRO, no entanto quando la chegaram, não puderam desenvolver e levar a diante os seus objetivos de causa em beneficio do setor…

O custo politico das lideranças do Agronegócio que assumem o Ministério, como também das demais lideranças agropecuárias que se comprometeram “politicamente” com o este Governo, através de suas Associações, Sindicatos, Federações e Confederação, acabou por comprometer grande parte de tudo que eles mesmos vinham defendo e conquistando ao longo de sua trajetória em defesa do agronegócio…

O custo politico é muito alto para todos que de certa forma foram aludidos a participar deste Governo do PT… São lideranças do setor que assumiram suas posições publicas junto ao Governo em troca de promessas mirabolantes em beneficio da sua causa, porém nada ou quase nada conseguiram ter de respaldo efetivo no cumprimento das Politicas Publicas estabelecidas, no entanto diante de todo comprometimento politico partidário junto ao atual Governo, ficam sem coragem de bater o martelo na mesa em defesa dos interesses do Agronegócio, e mesmo que este Governo esteja remando contra seus próprios ideais inicialmente estabelecidos…Continuam no debate, debatendo os problemas que já conhecem de cabo a rabo, e mesmo estando no poder não tem a liderança para solucionar, mas diante do comprometimento politico partidário participam do debate para tentar aludir você, em busca do seu voto.

Resta aos velhos lideres sentar em uma mesa e debater o que sempre foi debatido e mesmo no poder nada poder resolver… Muito bem disse nosso amigo João Batista Olivi em seu Programa Mercado & Companhia no Canal Rural… “infelizmente o Neri Gueller assumiu o Ministério de um Governo que esta desenfreado ladeira abaixo”…

Este é o custo politico de uma liderança agropecuária que apesar de seu conhecimento, não conseguiu implementar as politicas publicas para amenizar os custos de produção.

Por Valdir Edemar Fries

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.