CANDIDATA MARINA SILVA, SINALIZA UM DIÁLOGO CADA VEZ MAIS DIFÍCIL DE SER ENTENDIDO PELO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.

Candidata a Presidência da Republica, MARINA SILVA se “esforça” em se aproximar do agronegócio, afim de conquistar parcela dos votos do meio rural, porém não deixa claro seu posicionamento que a levaram, enquanto Ministra do Meio Ambiente, e principalmente quando do debate em relação ao novo Código Florestal Brasileiro, a declarar guerra contra os interesses do agronegócio Brasileiro…

Ideologicamente fanática pela exploração “extrativista”… Marina leva o tema de “sustentabilidade” ao extremo, sem medir consequências…

Ditadora de um socialismo radical, chega a pregar algo que nos preocupa ainda mais, principalmente por comungar com um sistema de participação social junto ao governo, que se identifica ao ATO DITATORIAL DE DILMA, PROMULGADO ATRAVÉS DO DECRETO 8243/2014…

Não por menos, Marina e PT, Partido do qual ela fez parte, e parte da sua companheirada ligada à sua REDE, para garantia da “sustentabilidade” continuam a participar do Governo do PT no Estado do Acre, com exceção de seu Marido, que segundo informações pediu exoneração a poucos dias.

Já se vão alguns dias de campanha Marina Presidente, porém quando se trata de assuntos relacionados ao agronegócios, podemos dizer que fica cada vez mais difícil de entender o seu diálogo…

Em poucas palavras, a candidata não foi firme ao se pronunciar em relação ao novo Código Florestal, deixando claro que poderá reabrir o debate para novas alterações na Lei 12651/12… Todos nós produtores rurais temos o conhecimento do que ela afirmará na época que a Lei como aí esta, seria um retrocesso ao desenvolvimento sustentável…Portanto devemos nos preocupar, uma vez que questionada quanto a possibilidade de se alterar a Lei, ela simplesmente generaliza a questão e afirma que: “– Todas as leis que não são causa pétrea são passíveis de serem mudadas por qualquer congressista ou pelo governo.“…

Conforme publicado no C2RURAL.COM.BR, ao que parece, os méritos do aquecimento econômico em certo período do governo Lula, se deu em virtude de Marina Silva ser Ministra do Meio Ambiente… Difícil para qualquer economista explicar…

Mas ela afirma o seguinte: “Quando eu era ministra do Meio Ambiente nós tivemos os menores índices de desmatamento e o maior crescimento econômico. Agora temos exatamente o contrário, aumentou o desmatamento e a economia deixou de crescer.” … 

Como pode-se ver, ao modo PT, a candidata já se apossa dos resultados de uma economia crescente em certo momento, enquanto ela era ministra, deixando o Ministério do MEIO AMBIENTE, a economia deixou de crescer…

Impressionante!!!

Marina já credita o maior crescimento econômico do perídio como mérito do MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE… Alguém pode explicar o que fazia o Ministro da Fazenda nesta mesma época???

Não podemos negar um fato, podemos aceitar os índices em relação ao desmatamento em razão do terrorismo promovido por ONGs, IBAMA, e por ela Ministra com toda sua equipe enquanto  ocupavam o cargo.

O desmatamento pode ter apresentado os menores índices… e voltado a subir posteriormente…

Pode ter aumentado o desmatamento, não por motivo de certa flexibilização do novo Código Florestal, mas por inúmeros motivos… Agora o que não se pode, é atribuir o crescente desmatamento unica e exclusivamente ao agronegócio, conforme o Ministério do Meio Ambiente tem atribuído ao longo dos anos do governo do PT.

Ao ser anunciada candidata, muitos de nós produtores rurais estávamos APREENSIVOS COM A CANDIDATURA, e diante dos fatos, esperávamos que o PSB e a própria Marina desse esclarecimentos em relação as propostas do plano de governo para o agronegócio…

Esperávamos algo que transmitisse maior segurança para o setor produtivo… No entanto o que vimos e ouvimos à mais de uma semana, são meias palavras que levantam duvidas em relação a A CANDIDATA MARINA SILVA QUE SINALIZA  UM DIALOGO CADA VEZ MAIS DIFÍCIL DE SER ENTENDIDO PELO AGRONEGÓCIO.

Estamos a praticamente 12 anos enfrentando um governo que usa do sistema do crédito rural para fazer politicagem… Estamos diante de uma politica econômica que vai de mal a pior, alta dos juros, inflação galopante e aumento dos custos de produção sem contar o custo Brasil devido aos gargalos da logística…

Esta na hora de nós produtores rurais manifestar o voto… O nosso futuro esta no voto de cada um de nós…

Você já sabe das circunstancias que enfrentamos com DILMA presidente, hoje é difícil entender Marina ainda candidata, como presidente as consequências podem ser ainda pior…

Portanto amigo, reflita, assuma sua posição…

Se manifeste antes que seja tarde… Se manifeste a tempo, para o BRASIL mudar, e renovar a esperança sob a luz de um novo amanhecer…

MANEJO DE SOLO 002

Por Valdir Edemar Fries – Produtor rural em Itambé, Pr.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.