AS TECNOLOGIAS DA SOJICULTURA FRENTE AS ADVERSIDADES CLIMÁTICAS

As inovações da tecnologia implementadas no cultivo da soja tem surpreendido à todos… Para se obter uma boa produtividade são inúmeras as práticas de manejo de solo e dos tratos culturais desenvolvidas pela pesquisa cientifica que o produtor deve seguir para se garantir diante das adversidades climáticas…

O clima sempre foi e sempre sera um dos fatores principais que influenciam na produção agrícola, no entanto, para enfrentar todas as adversidades, o homem tem desenvolvido inúmeras tecnologias, e entre elas, destacamos duas tecnologias que tem garantindo a diferença em um ano atípico como estamos vivenciando neste cultivo de 2014…. Com chuvas ocasionais, mal distribuídas e de volume milimétrico irregular, ocorrem em quase todas as regiões produtoras do Brasil, e isto tem deixado os produtores rurais preocupados….

Os meteorologistas se esforçam para explicar o fenômeno climático que vem ocorrendo, mas é a tecnologia que tem salvo os produtores de maiores perdas frente as adversidades…

O uso de cultivares de ciclo indeterminado é uma das tecnologias que, em ano como este, deve fazer a diferença, do contrario, o produtor que realizou o plantio de soja de ciclo determinado, pode-se dizer que já tem sua produção comprometida… Uma vez que o período de crescimento da soja de ciclo determinado (para quem plantou entre final de setembro e inicio de outubro), já esta com seu ciclo de crescimento praticamente comprometido…

Podemos observar na imagem a seguir, que as plantas cultivadas em setembro já iniciam seu ciclo de florescimento

TECNOLOGIA DA SOJICULTURA 026 Neste caso acima, a cultivar é de ciclo indeterminado, e seu crescimento tão embora tenha sofrido consequências climáticas, com a volta das chuvas as plantas devem se recuperar e reverter estas perdas, uma vez que mesmo com o inicio da floração o seu ciclo de crescimento continua… No entanto antes do lançamento desta tecnologia, com o uso de cultivares de ciclo determinado, ou seja, cultivares que tem seu maior crescimento antes ao inicio da floração, a estas alturas, o produtor já teria a produtividade/produção de sua lavoura comprometida diante das perdas do desenvolvimento vegetativo (O que me faz lembrar os grandes prejuízos sofrido pelos produtores do noroeste do Paraná no ano de 1985, de igual situação climática ao que vivenciamos hoje, que tiveram suas lavouras comprometida por falta das tecnologias hoje disponíveis).

Como sempre diz o nosso amigo jornalista João Batista Olivi… “A TECNOLOGIA CIENTIFICA É UMA MARAVILHA” …

Seguindo nossa prosa… Outra tecnologia disponibilizada que devemos destacar aqui, considerada hoje uma das principais utilizada pelos produtores rurais e que tem garantido a diferença na germinação, é sem duvida o tratamento de semente... Com umidade de solo insuficiente, a germinação/emersão das plantas tem apresentado neste ano um stand irregular das plantas…

ITAPEJARA D OESTE 002

Porém as sementes tratadas de forma adequada se conservaram no solo, e quando da volta das chuvas, mesmo ocorrendo 22 dias após o plantio, as sementes germinaram com todo vigor…

TECNOLOGIA DA SOJICULTURA 006

Esta pratica tecnológica tem evitado o replantio de muitas lavouras, dado a garantia da germinação proporcionando um stand de plantas uniforme, mesmo que reste uma lavoura com plantas de diferentes estágios vegetativos, como ocorreu com as lavouras plantadas no inicio de outubro/14… Nestes casos, frente as adversidades climáticas até então, as lavouras não foram comprometidas totalmente conforme ocorria no passado, e mesmo com maiores custo de manejo da lavoura e com os investimentos dos tratos culturais devido ao diferente estágio de desenvolvimento das plantas que os produtores rurais venham a ter,  se o fator climático se normalizar, o produtor rural pode renovar as esperanças, porque ainda terá uma boa produção, e certamente a garantia de recuperar os investimentos diante de um mercado promissor.

Por Valdir Edemar Fries – Produtor rural em Itambé – Pr.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.