A TECNOLOGIA DO MILHO VT PRO2 GARANTE A “PONTE VERDE” E COLOCA EM RISCO O CULTIVO DO MILHO SAFRINHA.

O cultivo do milho safrinha é uma prática que se consolidou em grandes regiões produtoras do Brasil… O melhoramento genético das sementes tem proporcionado um material que garante plantas cada vez mais resistente ao tombamento, cultivares de plantas menos susceptíveis a incidência de doenças fúngicas e bacterianas, que somado ao manejo e à tecnologia usada nos tratos culturais no decorrer do ciclo da cultura, tem garantido ao produtor rural um constante aumento da produtividade em suas lavouras de milho ao longo dos anos, e consequentemente a viabilidade econômica da produção do milho safrinha, cultivado logo após a colheita da cultura da soja.

Estamos em meio ao cultivo de verão… Neste período a soja é a principal lavoura cultivada nas regiões de milho safrinha…

E o que vimos/ouvimos neste período é um debate cada vez mais acirrado em relação à questão do VAZIO SANITÁRIO DA CULTURA DA SOJA… Uma vez que alguns produtores rurais de determinadas regiões tem realizado a prática do cultivo da soja sobre soja…

Com o objetivo de diminuir os riscos de incidência de doenças e proliferação das pragas das lavouras de soja… No caso da soja, pesquisadores e técnicos tem alertado a cada instante quanto a questão do vazio sanitário, inclusive propondo o aumento do período do vazio sanitário de 90 dias já determinado em Lei, e ou até a proibição do cultivo da soja sobre soja para se diminuir os riscos da cultura.

De outro lado temos a cultura do milho safrinha, que deve se iniciar o cultivo de 2015 em menos de 90 dias… Mesmo assim, o que vimos são cada vez mais lavouras de soja infestadas de plantas de milho…

São plantas de milho resistente ao glifosato, que para o seu controle, o produtor rural tem que aumentar os gastos com herbicidas específicos, e em muitos casos, na base da “economia” certos produtores deixam de fazer o controle especifico, e estas plantas que levam a tecnologia VT PRO2, são as invasoras que agora hospedam a proliferação das principais pragas da cultura do milho, o que pode inclusive colocar em risco toda tecnologia BT, conforme já registrei em artigo (http://www.noticiasagricolas.com.br/artigos/artigos-geral/132465-grande-risco-de-perda-do-potencial-da-tecnologia-bt–com-o-cultivo-do-milho-vt-pro2-seguido-de-soja-rr.html#.VF_9sfnF-To)… Assunto já debatido em relação ao registrado na Análise do uso de MILHO VT PRO2 seguido de SOJA RR …

LAVOURA DE SOJA EM MEIO AO MILHO 024

Passaram-se um ano, e com exceção do consultor técnico do PROJETO SOJA BRASIL, o pesquisador Aureo Lamtmann, que acompanha as expedições feitas pelo CANAL RURAL, é um dos únicos profissionais que tem alertado para o fato… Inclusive já mostrou no ano de 2013 o aumento das lavouras de soja com alta infestação de plantas de milho no Estado do Mato Grosso… O restante dos técnicos mesmo que de instituições públicas (ao que eu saiba), não tem dado a devida importância para esta questão. Uma questão de risco, que se não for pior, ao minimo os riscos de sanidade que a cultura do milho vem sofrendo se igualam às questões de sanidade da cultura da soja.

Por falta de se discutir tecnicamente, e se definir Legalmente um período de vazio sanitário (levando em conta também à eliminação de plantas  de milho em meio as lavouras de soja), principalmente para as regiões produtores de milho safrinha, certamente o cultivo do milho deve sofrer consequências de sanidade, pondo em risco inclusive toda tecnologia BT/VT PRO.

A tecnologia BT/VT PRO que tantos resultados positivos tem proporcionado ao produtor rural com a redução dos custos no controle das principais pragas…. Porém devido à TECNOLOGIA VT PRO2 que leva a tecnologia de resistência ao glifosato, nos mostra na pratica, lavouras de soja cada vez mais infestadas com invasoras de plantas da cultura do milho, garantindo a chamada PONTE VERDE para o aumento da incidentaria de doenças e a proliferação das pragas do milho.

COLHEITA DA BANANA 004

Neste ano de 2014 aumentou em muito o uso/plantio de cultivares VT PRO2, fator que se deu principalmente porque as cultivares mais produtivas colocadas no mercado traziam a tecnologia… Isto ocorreu porquê as produtoras de semente priorizaram a produção de sementes com a tecnologia VT PRO2 introduzidas nas melhores cultivares. Este fato forçou e/ou obrigou muitos produtores a cultivarem suas lavouras com milho VT PRO2… O uso desta tecnologia, nos leva a constatar hoje o aumento de áreas de soja infestadas com plantas de milho.

Ou a pesquisa e os Departamentos de Defesa Sanitária Vegetal tomam a iniciativa de regularizar a questão de controle da infestação de plantas de milho para se evitar a PONTE VERDE, ou toda tecnologia de cultivo de milho safrinha estará comprometida dentro de um curto espaço de tempo.

Por Valdir Edemar Fries.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.