O DIFÍCIL CONTROLE DAS PRAGAS DAS LAVOURAS E DOS SANGUE-SUGAS DO GOVERNO FEDERAL…

Com os efeitos das oscilações climáticas o produtor rural já esta calejado, e nunca perdeu a  esperança de que ao longo do ciclo de cada cultura, tudo acaba dando certo… Cada qual com sua devoção, mantemos a fé, porque a natureza sempre nos reserva boas surpresas…. Já em relação a situação econômica do País, pouco pode se fazer… “Mas não desista” aos poucos devemos ir eliminando também aquelas pragas…

O País, todos sabem, já encontra-se em Estado de calamidade, ninguém mais tem confiança nas politicas de governo.  A “imagem” do Brasil lá fora indica que as coisas por aqui não andam muito bem. Prova disto é a própria Presidente Dilma Rousseff (MAIOR PRAGA DA ECONOMIA BRASILEIRA), que se submete a pedir mudanças da Lei Orçamentaria, (Conforme projeto de Lei – PLN 36/2014 : http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=118860).

Uma verdadeira manobra que o governo busca junto ao Congresso Nacional para fugir das irresponsabilidades, ou melhor, para se livrar das penalidades da Lei de responsabilidade fiscal…Mas por hora, deixa pra lá… Nossa conversa é outra, se trata das pragas da lavoura de soja e não somente das pragas de determinados “partidos” que rastejam para dar sustentação a um governo cada vez mais ofuscado.

Por aqui… Nossa imagem do campo é real, é de lavouras em fase de desenvolvimento vegetativo já em inicio de floração, imagem que cresce em meio a palhada e enchem os olhos de qualquer produtor rural, e orgulham a nossa agricultura, sempre muito bem vista lá fora.

(obs: clique nas imagens para ampliar)

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 050

São inúmeros os benefícios de uma cobertura de solo com palhada, porém o que gera benefício, também esconde um nicho ecológico, criando um ambiente favorável para a hibernação e a procriação de determinadas pragas, como é o caso dos percevejos…

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 046

Os percevejos estão ali na roça se multiplicando, refugiados em meio a palhada… Com o inicio da floração elas deixam os esconderijos e aparecem para provocar danos na cultura…

São os verdadeiros sangue-suga da riqueza que nos propusemos a produzir… Verdadeiros sangue-sugas que tem seu controle, difícil de controlar? …Sim… Ao contrario das pragas instaladas no governo, verdadeiros sangue sugas incontroláveis que fogem das responsabilidades a todo modo, entranhados em todas as instancias.

Ao menos por aqui no campo, tentamos nos defender com o trabalho e os cuidados no trato da lavoura, sempre feito com profissionalismo e responsabilidade, afinal precisamos produzir para sobreviver na atividade e assim continuar a viver desta que é nossa atividade…

No período de desenvolvimento vegetativo, o manejo integrado para o controle das lagartas somado ao controle das ervas daninhas é de fácil entendimento, podemos decidir facilmente se levando em conta os parâmetros técnico/ambiental fazendo uso de defensivos menos agressivos.

safra soja 14 15 005

Porém a partir do inicio da floração das lavouras, o produtor rural alem de contemplar a florada ao brilho dos olhos, deve dedicar também uma atenção ainda maior quanto ao controle do percevejo que danifica e compromete a frutificação/produção.

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 032

Nem sempre as pragas estão sobre as folhas à vista do produtor… E não é ao avistar uma que outra praga que deve-se correr realizar a pulverização…

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 023

Para melhor avalizar a infestação e melhor definir a hora de uma aplicação de defensivo o produtor é minucioso, anda em toda a lavoura com olhos atentos observando as plantas como um todo…

Sabemos que praga é praga… Estão a solta nas lavouras, junto ao governo federal nem se fala, vivem as escondidas cada qual com sua voracidade, prontas para atacar.

As pragas que se multiplicam no governo não são diferentes, elas não se expõe, pouco se sabe das pragas que estão infiltradas no governo, para conhece-las e combater  precisa-se de muita investigação, e pode ter certeza, quando localizadas afirmam estar de mãos limpas.

Em meio a lavoura, da mesma forma, as pragas da lavoura não se expõe, precisamos procurar, “investigar” em toda lavoura para não sofrer consequências…

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 021

Ficaria muito fácil para decidir realizar o controle de qualquer praga se estas estivessem exposta à vista na palma da sua mão… Sabemos que isto não ocorre, portanto devemos vasculhar as lavouras para melhor decidir a hora de combater…

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 029

O controle deve ser feito sempre respeitando ao máximo o manejo integrado de pragas – MIP, para que possamos preservar os inimigos naturais, até porquê estes “inimigos naturais” são na verdade os nossos maiores amigos…

Devemos lembrar que em época de florada, as abelhas, que não são pragas, ao contrário, elas ao buscar seu alimento, desempenham um grande trabalho ao realizar a polinização das flores garantindo melhor frutificação…

SOJA 2014 EM FLORAÇÃO 040

Preservar as abelhas e os demais inimigos naturais se torna bem mais fácil quando falamos de controle das lagartas, (com exceção da lagarta “helicoverpa armigera” que requer defensivos mais agressivo) ….

Em época de florada (com as cultivares de ciclo indeterminado o período da florada se prorroga ainda mais), como se vê nas imagens acima, neste período temos sim um que outro percevejo já nas plantas de soja, porém muitos ainda escondidos e só o avistamos se revirarmos a palhada… Porém nesta mesma época avistamos  também as abelhas ali trabalhando em nosso benefício…

Portanto toda atenção no manejo da lavoura é importante para que não se tenha percas de produção com o ataque das pragas neste período, mas a depender da analise do MIP, procuramos prorrogar ao máximo as aplicação nesta fase da cultura, para preservarmos ainda mais os “inimigos naturais” nossos verdadeiros amigos… Infelizmente em determinado momento temos que decidir por aplicar os defensivos, mesmo sabendo da degradação ambiental que cometemos…

Infelizmente é assim, devemos combater as pragas para salvar a produção que nos alimenta… No controle das pragas no campo, muitas vezes devemos pulverizar as lavouras inteira para eliminar sua proliferação…

De outro lado, sabemos também que são muitos os “ambientalistas” radicais ligados as ONGs que não se poupam por criticar os produtores rurais quanto ao controle das pragas, no entanto não se dão conta quando sua casa é invadida por uma simples barata, e para eliminar a praga acabam por dedetizar a casa inteira…

Héhhééé, para estas espécies de pragas todas existem controle, agora para controlar as pragas que se multiplicam no governo e acabar com tais sangue-sugas e toda a sujeira instalada nos corredores de Brasilia, o receituário é outro, porém muitos não conseguem fazer uso nem mesmo entender a melhor receita… Receita que não se deve rasurar por que certamente vai continuar em pauta…”MUDA BRASIL”…

Mudar já, se posicionando contra o malabarismo que o governo vem fazendo em relação ao  “plano B” na tentativa de modificar a meta de superávit – economia que o governo faz para pagar os juros da dívida pública…. Ou seja, economia que o governo deixou de fazer… e agora se vê em papo de aranha…

As pragas estão a solta, aqui no campo nós nos garantimos em controlar, no Congresso dependemos dos nobres Deputados e Senadores… Para acabar com esta praga da economia Brasileira, resta ao povo Brasileiro pedir para que o Congresso Nacional aplique corretamente a dose de austeridade votando contra o PLN 36/2014.

Por Valdir Edemar Fries.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.