O LIXÃO E O SOLO RICO DO IVAI – 15 de ABRIL, DIA MUNDIAL DA CONSERVAÇÃO DO SOLO.

O município de Itambé, Estado do Paraná localizado ao norte da margem do rio ívai detém em seu limite territorial uma das mais ricas terras, com solo extremamente apropriado para a exploração agrícola… Seus limites territoriais detém um solo rico, como consta e é refrão em seu próprio Hino (http://itambe.pr.gov.br/index.php?sessao=670288f86anc67&id=155)..

Dia 15 de abril é o dia mundia da conservação do solo… O rico solo de Itambé já sofre a degradação natural pela exploração agrícola, principal economia do Município… Muitas camadas de solo já foi erodida pela ma conservação do solo em tempos passados…

SAM_3633

Nas décadas de 80 e 90 a administração municipal através de programas Estaduais de conservação de solo e água realizou uma verdadeira frente de trabalho pra implantar o sistema de conservação de solo, adequando as estradas rurais e integrando ao sistema de conservação de solo das propriedades rurais. Tanto o poder publico como também os proprietários rurais, investiram recursos financeiros para conter a erosão e melhorar a estrutura e a fertilidade do solo propiciando o aumento da produtividade agrícola, e a preservação dos rios e nascentes que estavam sendo assoreados.

Ao final da década de 90 e na década de 2000 muito foi cobrado dos produtores rurais para realizar a recomposição das matas ciliares pra melhor preservar as nascentes e proteger o leito dos rios… Hoje as imagens mostram as margens dos rios toda protegida com mata ciliar…

Podemos afirmar que pouco falta para que Itambé receba méritos de uma cidade auto sustentável em termos de produção e conservação dos recursos naturais…

Apenas observamos que faltam sim alguns investimentos em galerias pluviais, faltam sim maiores investimentos na manutenção do sistema de conservação do leito das estradas…

Produtores rurais não medem esforços para manter o sistema de terraceamento adequado e cada vez mais investem na correção e na estrutura do solo… Resultado??? Sim… Maior produção de alimentos…

Cravado em meio as nascentes dos mananciais que se formam, com seus córregos e ribeirões protegidos pela mata ciliar, com índice pluviométrico satisfatório, um sol que brilha todas as estações do ano… Condições ambientais perfeitas…  Este lugar é ITAMBÉ – PARANÁOnde NÃO deveríamos ter com o que nos preocupar em termos ambientais.

DISTANCIA DO CENTRO AO LIXÃO REGIONALCLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

“CREIO EM TI SOLO RICO DO ÍVAI” … PORÉM, CIDADE IGUAL EU NUNCA VI.

Cidade igual eu nunca vi… NÃO!!! Eu nunca vi cidade nenhuma, com tantas condições naturais que o meio ambiente oferece, com uma base econômica que pode em muito crescer em geração de emprego e renda através dos recursos naturais que o SOLO RICO nos proporciona.

Não… Não tem cidade ao redor do mundo que tenha em seus propósitos buscar LIXO em outras regiões para ser ENTERRADO EM SEU SUBSOLO… NÃO!!!

Enterrar LIXO NO SUBSOLO é sinônimo de degradação ambiental, é sinônimo de contaminação do lençol freático, é sinônimo de proliferação de pragas e doenças…

Tanto é que o PLANETA se movimenta para preservar os recursos naturais, CIDADES se movimentam para dar o destino correto do seu LIXO… CIDADES IGUAIS A ITAMBÉ EU NUNCA VI… É UNICA… É unica que se esforça A PROCURA DE LIXO DOS OUTROS PARA ENTERRAR DENTRO DO SEU TERRITÓRIO… BEM PERTO DA SUA CASA.

Educar a POPULAÇÃO e cobrar das autoridades a coleta seletiva do lixo para reciclagem é difícil, é árduo para o poder público enfrentar a verdadeira MAFIA DO LIXO que esta hoje em todo o PLANETA… Corrompendo a classe politica e iludindo os mais inocentes… A máfia do lixo A NÍVEL MUNDIAL cresce a cada dia…

Se realizado um levante mundial em relação a coleta e destinação final de lixo… Poderemos dizer que a nível mundial a MAFIA DO LIXO JÁ É MAIOR QUE A MÁFIA DA COCAÍNA.

Para eles não existe lei ambiental que não possa ser alterada… Para a máfia do lixo não existe Lei que não possa ser burlada… Para eles não existe dirigente institucionais e políticos que não possam ser corrompido… Para eles tudo é possível fazer para que os mais inocentes acabem por acreditar que enterrar lixo no subsolo gera renda para a sua comunidade.

ENTERRAR LIXO NO SUBSOLO NÃO GERA DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO PARA CIDADE NENHUMA … 

Portanto, NESTE DIA 15 DE ABRIL DE 2015, DIA MUNDIAL DA CONSERVAÇÃO DO SOLO…. Registro este ALERTA para que os amigos ITAMBEENSES NÃO VENHAM ACREDITAR que a instalação de um ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDO INDUSTRIAL E SANITÁRIO REGIONAL será a salvação de ITAMBÉ na geração de emprego e renda… Sinto muito AMIGOS… 

Procurar recolher lixo de todas as regiões para ser enterrado no subsolo a menos de 4.000 metros de distância da sua casa… venham e venhamos… CIDADE IGUAL NUNCA VI… 

Por Valdir Edemar Fries.

Sobre valdirfries

Téc. Agropecuário - 1980. Extensionista Rural da ACARPA/EMATER-Pr entre os anos 1981 a 1987, com serviços prestados nas regiões de UNIÃO DA VITÓRIA, CURITIBA, PATO BRANCO. Na região de MARINGÁ trabalhou mais especificamente na RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE SOLO E ÁGUA - responsável téc. a nível de campo na implantação da adequação das estradas rurais nos municípios de FLORESTA E ITAMBÉ - Pr, concluindo os trabalhos do sistema de microbacias integradas em 100 % da área territorial dos dois municípios). PLANEJAMENTO E ASSESSORIA AGROPECUÁRIA - 1987 a 1996 em áreas do Estado do Paraná e do MATO GROSSO (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso). Secretário de agricultura e meio ambiente de Itambé - Paraná de 88 a 1996. Vereador em Itambé - 97 a 2000. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA PÚBLICA a partir de 1996, Com especialização na elaboração de planos de trabalho dos programas de governo; SICONV; De 1997 a 2010 realizou o acompanhamento e tramitação de processos de convênio de Municípios Paranaense junto aos Ministérios de Estado em Brasilia. Produtor Rural - Itambé Pr, a partir de 2008 tem se dedicado principalmente nas atividades da produção agrícola e na edição de artigos relacionados ao AGRONEGÓCIO BRASILEIRO.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.